Como ajudar o seu filho a estudar

Encontre aqui seis dicas de concentração para apoiar, a partir de casa, a aprendizagem do seu educando.

Em tempo de isolamento social, a adaptação a um novo cenário nem sempre ocorre “da noite para o dia”, em particular, no caso dos mais novos. De acordo com a Ordem dos Psicólogos, numa situação como a que vivemos, as crianças pequenas podem, de facto, sentir-se mais tristes, ansiosas, com medo, confusas e com saudades dos amigos.

Por outro lado, conciliar – e tentar equilibrar – as responsabilidades decorrentes do teletrabalho com o estudo dos filhos pode ser um desafio adicional para os pais que estão em casa nesta altura.

Apontamos, então, algumas estratégias para os manter focados. Antes de pôr em prática estas diretrizes, importa levar em consideração a idade e necessidades educativas de cada educando, assim como a sua própria disponibilidade diária.

1. Prepare um espaço próprio de estudo

Defina uma área específica onde o seu filho se possa concentrar. Ter um novo espaço em casa pode ser um desafio exigente, por isso, tente limitar as distrações. Manter um local arrumado e sem ruído promove uma maior capacidade de concentração e, consequentemente, de produtividade.

2. Organize uma lista de todos os materiais

Crie uma listagem dos livros, cadernos, recursos online e todos os outros materiais realmente necessários para o dia a dia escolar até ao final do ano letivo. Além disso, ajude o seu filho a planear a semana de estudo e a estabelecer um método de acordo com os requisitos do professor. Aqui vai encontrar uma série de tutoriais e conteúdos destinados a Encarregados de Educação, que poderá revelar-se útil neste período.

3. Celebre as suas conquistas

A comunicação é um elemento-chave. Mostre interesse e satisfação sempre que o seu filho obtenha bons resultados ou algum feedback positivo de um professor. Dependendo da idade, é importante supervisionar sem atrapalhar: acompanhe pontualmente tanto as suas dificuldades como progressos, dando oportunidade para que se expresse sem medos.

4. Fale com o professor

Sabemos que professores de todo o país se têm vindo a esforçar para preparar e executar remotamente aulas, trabalhos de casa e uma série de outros materiais educativos. Peça-lhe que envie por email informação de estudo, atividades ou trabalhos.

Este é o momento certo para conversar com o professor do seu filho e perceber se há algo em específico em que o educando deva trabalhar. É também um bom momento para um agradecimento sincero!

5. Mantenha a rotina, dentro do possível

Certifique-se de que o seu filho não assimila esta fase como “férias prolongadas”, mas, sim, como mais um dia de escola à distância. É fundamental promover o grau possível de normalidade e estabelecer hábitos como, por exemplo, uma hora e local para todas as atividades.

Permita-lhe ainda algum tempo para que relaxe entre cada aula, à semelhança do período de intervalo na escola. Os horários das refeições, de dormir e da prática de exercício físico, mesmo dentro de casa, devem estar igualmente instituídos. Por outro lado, saiba que alterações não programadas podem potenciar dificuldades de concentração.

6. Não perca o sono

É sabido que quanto menos dormir, mais difícil será manter a concentração no dia seguinte, aprender ou mesmo reter informação. Isto aplica-se não só aos filhos, mas também aos pais e cuidadores.

Em média, crianças entre os seis e os 13 anos, precisam de 9-11 horas de sono por noite. Já no caso dos 14 aos 17 anos, cerca de 8 a 10 horas. Mas não se esqueça de si: o descanso é significativo seja qual for a idade.

Trabalhar em casa – e com crianças ou adolescentes – não é tarefa fácil. Acreditamos que as dicas identificadas acima são um ponto de partida, porém, cabe depois a cada família adaptá-las à sua própria realidade. A chave estará sobretudo na forma como os momentos do dia são organizados.

Em suma, os nossos conselhos passam por planear a semana de estudo com antecedência, ser paciente e flexível. Acima de tudo, tente não ser demasiado exigente com o seu filho (nem consigo).

Partilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *