Diminiuir o abandono escolar com diferentes pedagogias (e um podcast!)

O meu nome é Daniela e em março de 2020 lancei um projeto podcast com o nome “Faces da Educação” – pensado e desenhado desde outubro de 2019.

Sou educadora social há 14 anos ao serviço de um projeto piloto que intervém com jovens dos 15 aos 25 anos e que se encontraram em situação de abandono precoce de educação e formação (Escola de Segunda Oportunidade de Matosinhos).

É no âmbito dessa minha atividade profissional que compreendi melhor a problemática do Abandono Escolar, um fenómeno onde coexistem os conceitos: ‘abandonantes’ e abandonados’. Compreendi também que educar é um “ato de amor, mas também de coragem” (Paulo Freire), e que para “fazer educação”, é essencial desaprender. Este processo inicia com a reconfiguração pessoal e profissional, ao mesmo tempo que urge a necessidade de reconfigurar as práticas pedagógicas.

Os quase 1000 jovens em situação de abandono precoce de educação e formação com quem já me cruzei e trabalhei, tinham algo em comum: ‘não gostarem da escola’ e ‘não gostarem [regra geral] de professores’. E é com base nesta minha avaliação que levantei duas questões de base: “Haverá um perfil de educador ideal?” e “Haverá um modelo pedagógico capaz de responder às necessidades e potencialidades de todos, não deixando ninguém para traz?”.

Por forma a dar resposta a estas inquietações, imaginei-me a percorrer o país e o mundo, com a intenção de conhecer esses educadores e projetos inspiradores, que fazem a diferença na vida de tantas crianças, jovens e famílias (‘faces’ de educadores e formas/‘faces’ diversificadas de fazer educação).

Assim nasceu o Podcast “Faces da Educação”, que conta já com mais de 40 entrevistas feitas a nível nacional e internacional e que está disponível de forma gratuita nas plataformas digitais Anchor, Apple Podcast e Spotify.

É um projeto que no fundo não é só meu, e sim de toda uma rede de pessoas que voluntariamente ofereceram o seu tempo para partilharem quem são, o que fazem na prática, como vêm e sonham com a educação e como isso se vincula ao ato de serem agentes ativos pelos Direitos plenos e íntegros das Crianças e Adolescentes.

Daniela Laranjeira, 2021

Links:

Partilhar: